"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

sexta-feira, 18 de março de 2011

Sectarismo



Um brinde aos desencontrados!
Porque maior desencontro nesta vida,
não é perder-se no coração do mundo,
é senão ser perda do próprio coração...

Raquel Amarante N.

2007


4 Comentários:

Anônimo disse...

Um pouco de paciência com esta leitura limitada que se faz da não compreensão do título com o poema, e julgá-los ambos, em um primeiro momento, como não consoantes pra uma interpenetração de sentidos correspondentes.

Considerando melhor, pode ser que sua intenção fora dar justamente ao título e ao poema uma correspondência sem sentido, ou melhor, de sentido parodaxal, pois um sectário notabiliza-se primordialmente por se achar um "encontrado" nas suas ferrenhas convicções.

Não, não, muito melhor fazemos em ignorar e com muita gentileza mandar pras cucuias desmemoriadas toda essa demonstração gratuita de crítica literária barata. Um brinde pra que a gente possa esquecer disso, pois eu prefiro perder-me "no coração do mundo". [...]

Raquel Amarante disse...

rsrsrsr

Entendo o que quer dizer na sua obervação do termo "encontrado"
Quem poderá dizer quão desencontrados são os "encontrados", e quão encontrados são os desencontrados?

Anônimo disse...

Possivelmente a desencontrada razão no encontrado amor de Edu e Mon, ou do desencontrado amor na encontrada razão dos mesmos pombinhos distritais, afinal, "quem um dia irá dizer que não existe..." ?

Raquel Amarante disse...

razão, nas coisas feitas pelo coração."

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal