"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

terça-feira, 5 de abril de 2011

Álbum de casamento



Mãe, quem é esta aqui?
Ah.. É a filha de dona Carmen, hoje ela mora em São Paulo.
E este?
Qual?
Este aqui!
É seu tio, Ana!
Tio?
Tio Walter, do Araçuaí.
Hum...
Mãe,
esta aqui não é Janete?
É.. É sim. Tá novinha, né?
E quem é este que tá abraçando ela?
Era um namorado dela, não lembro o nome dele...
Namorado? Mas ela não gosta de... Mulher?
É... Ana, mas... Nem sempre foi assim...
Manhê...
Oi...
E estes dois aqui? De mãos dadas... Eles se casaram?
Sim, se casaram sim, mas já se divorciaram.
Hum...
Oh mãe,
quem é este altão aqui?
Não aponta menina!
Oras, mas por quê?
Ele já faleceu! Faz mal.. Fecha este álbum, vai!
Faz mal? Por que faz mal?
Ahh... Faz mal Ana.
Faz mal como?
Não é bom filha...
Mas por quê? O quê que acontece?
Ahhhh Ana!!! faz mal. Não sei... Faz mal! Não é bom apontar para pessoas mortas...
Mas mãe, por quê? Alguma pode vir do além? (risos)
Não Ana! Só
não
é bom!
Não é bom pra quem, pra mim ou pra pessoa?
AHHHH.. NÃO SEI!!! NÃO SEI, ORAS!!! Você faz muitas perguntas!!!

17 comentários:

  1. Crenças e costumes do passado. As vezes as pessoas repetem sem ao menos saber por que.


    Muito bom texto.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia essa crença, mas gostei da sua forma de escrever, dos diálogos, e crianças a gente já sabe, são assim mesmo. Abraço. Se quiser passe pelo meu espaço, tem novo conto.

    ResponderExcluir
  3. Divertido o diálogo...
    Por aqui onde eu moro não existe essa coisa de "não apontar para morto em foto".
    Adorei o diálogo da mãe com sua menininha perguntadeira...

    ResponderExcluir
  4. Mas é mesmo Alvarêz... Porque não é bom?

    ResponderExcluir
  5. Dizem que antigamente era hábito tirar fotos das pessoas mortas (mortas, no caixão) para que se o espírito voltasse (rs) reconhecesse o corpo.

    Pode isso? oO

    * Passando para conhecer o teu blog.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. hahahahaha
    bendita curiosidade!



    bjsmeus

    ResponderExcluir
  7. Perfeito. São as perguntas que impulsionam as descobertas e as respostas que as revelam.
    Abç

    ResponderExcluir
  8. kkk
    A Ana parece minha filha quando era mais nova.
    Perguntas, perguntas, perguntas...
    :D

    Texto bem escrito e gostoso de ler.
    bjs

    Rossana

    ResponderExcluir
  9. Super interessante seu conto. Quem dera aldultos pudessem saber de tudo e explicar tudo como julgam as crianças.

    Obrigada pela visita, seu blog é encantador também. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. "Não sei, só sei que foi assim"(Filme: O Auto da Compadecida)... Legal este trechinho. Lembranças, orientações, tradições, perguntas... Porque talvez sejam estas últimas que movimentam a vida! ;]

    ResponderExcluir
  11. Porque? porque? porque?...
    Tava passando cá por essas bandas e achei válido fazer um registro. Parabéns pelo blog :)

    ResponderExcluir
  12. os álbuns da vida não têm película e não conhecem a palavra polaroid.
    têm a forma da respiração e a cor do tempo.
    um beijinho!

    ResponderExcluir
  13. Me dá angústia ler algo que fale sobre fotos, sobretudo quando lembro que perdi tantas fotos importantes pra sempre.

    Seguindo...

    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. é para isso que servem os albuns? ou os casamentos? rs

    ResponderExcluir
  15. KKKKKKKKKKKKKKKKKKkk
    Realmente, Long Haired Lady...

    ResponderExcluir

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Canções do Varal

Seguidores

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...