"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

domingo, 31 de julho de 2011

Sobre a morte

O sol se põe sobre o corpo ainda vivo
O sol homenageia o sangue vermelho que no asfalto corre.
O sol é partícula de luz sobre a "escuridão" de quem morre.
O sol se despede e a noite surge sem alívio.


O sol já não existe
O sol nasce tão triste
O sol agora é só.

(Raquel Amarante)

7 Comentários:

Anônimo disse...

Triste poema em seu luminoso brilho solar...
Toca e adentra as duas únicas e pétreas "certezas" da vida que nós, sombrios mortais, acreditamos saber e mensurar em nossa vã filosofia. O sol, berço de luz, e a morte, sua campa definitiva, para os mortos e para os vivos, que hão de nascer um dia, e um dia também hão de morrer, porque assim tem de ser (...).
O sol, luz causas mortis aurora da escuridão? A morte, sol eclipsado, óbito da luz, para o além? Que além?
Morrer é deixar de ver a luz?

"Morrer é apenas deixar de ser visto"...

Raquel Amarante disse...

Amei suas palavras amiga...
O enigma que é a morte sempre me inquieta muito... Creio que a todo ser...
Quem disse "Morrer é apenas deixar de ser visto" Bela citação..

Ingrid disse...

olá querida,
sempre bom te ler.. e estar por aqui..
te add no FB..
beijossss

Anônimo disse...

Ai, amiga, bom que não vê, pois se me visse agora saberia que neste momento eu me enrubesço um pouco ao reler o primeiro comentário e descobrir, mas sem querer acreditar, que aquela encheção de linguiça filosófica é coisa minha, ai. A verdade é que caminhei por escuras florestas pouco afeitas ao meu espírito, que insensatez sem tamanho, viu!

Persevero que tais enigmas tornam-se mais claros e também mais belos quando tratados pela fineza do seu pensamento. Sobre a citação, a única coisa útil naquele palavrório, é com prazer que lhe digo que é coisa da veneta multíplice e encantada de Fernando Pessoa, uma persona de desassossegos, inquietudes e enigmas como você.

Abraço.

Catia Bosso disse...

Raq!!!!

A solidão do sol se faz
A arte em si é sagaz
A morte sempre se safa e refaz
Suave a canção de quem com a dor nao faz!


Adorei seu post! E nao resisti, deixei ai minha inspiração...


bjsss meussss

Cat

Daniela disse...

e eu odeio esse fim da vida, saber que um dia tudo va se acabar , não saber quando aquela pessoa que tanto vc ama se vai é muito triste saber que o fim é certo ,porém temos que aprender a lidar com isso , é doloroso de mais , porém eu sei que quem se vai ,vai sempre pra uma bem melhor que nós ,pelo menos gosto de pensar assim (claro se a pessoa fez por onde ), isso me alívia um pouco mas .


Beijos ! bom começo de semana pra vc :)

Raquel Amarante disse...

Seu lindos! Vcs deixam este blog tão mais gratificante para mim... Bjossss

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal