"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

AVE

A dualidade
das minhas palavras
são minhas asas.

(Raquel Amarante)

9 Comentários:

Marly Bastos disse...

O escritor pode brincar com as palavras, escrever algo para que o outro leia diferente... O poeta tem asas nos pés, voa por onde quer!
Beijokas doces Raquel e uma semana maravilhosa.

Cláudia Costa disse...

Se você conseguir voar com a mesma leveza e beleza com a qual escreve seus poemas, minha linda, você ganhará céus e terra!

Adoro seu espaço.

Bjks da fã.

Cláudia Costa disse...

Se você conseguir voar com a mesma leveza e beleza com a qual escreve seus poemas, minha linda, você ganhará céus e terra!

Adoro seu espaço.

Bjks da fã.

leovalesi disse...

As palavras emanadas de sua poesia perfazem bem mais que dois sentidos. São textos múltiplos, vivos a partir daqui.

A.S. disse...

... e nas tuas asas estão os mais fascinantes e audazes voos!!!


Beijos,
AL

Anônimo disse...

"A dualidade das mais palavras..."
de voz mutável, som mutante, "ambulante", cantarolando, esvoaçando sentidos tão único e sempre outro como o próprio rio do ar.
Mas para voar é preciso que as asas possam bater na mesma sintonia do tempo, e que de tão unidas são como dois seres alados confundidos, e afinal fundidos, no ritmo único do vôo da dualidade.

A poetisa de versos esvoaçantes que tão bem cantou o võo das coisas duais, múltiplas e fugídias assim bateu versos: "Tem sangue eterno a asa ritmada..."

Ah, poetisa Raquel, e não é de estranhar que as suas asas falem a mesma língua para voar em dualidades.

luiz gustavo disse...

trago
na têmpora da memória
esse âmbito de seda
onde a aurora se traduz
em presságios da alma -
eis-me aqui
lavrador de mim mesmo
sobre a ossatura curva
e dura
dis-
traído com as unhas
dessas desassossegadas rimas
como os nervosos
fios da meada
que se estendem teia-à-teia
em formas de tentáculos
nas veias mais profundas
e rasas
expulsando-me
os (a)braços longos
entre o turvo olhar
e o denso olhar
do pôr-de-sol...

Eloah disse...

Somos loucos sonhadores! As asas são os adereços dos grandes sonhadores.E você cara amiga com certeza tem lindas asas para voar.O teu Blog prova isto.
Tenhas uma semana linda e feliz.Bjs Eloah

Sandra Portugal disse...

Adorei te visitar hoje, apareça!
bjs
Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal