"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

domingo, 18 de dezembro de 2011

Aranhas sem teia

Impossível expandir este sentimento
 Esta teia mal feita
que não mobiliza
minhas oito pernas.
Nem ligo para os insetos...
Minha fome impugna meu nicho.

(Raquel Amarante)

2 Comentários:

Anônimo disse...

Parafraseando o poeta para o caso da pobre arainha:
"tenho apenas oito pernas
e o sentimento do mundo";
De uma teia mal feita
nascida de si, a aranhainha
torna-se seu próprio inseto,
caída e presa nas armadilhas
da teia desprendida, presa em si.

Ah, pobres leitores destes receptivos e claros varais que sempre de uma coisa entendem sempre uma outra coisa em seus devaneios poéticos... rsrs

Alegre por ti rever, querida poetisa.

Anônimo disse...

Há quanto tempo...

"Por onde andas
que a gente não te encontra?"

"Será que ao menos deixaste
algumas peças íntimas penduradas?"

Sim. E a elas a gente contempla
a sua lembrança, tantas, pendurada
na esperança de que um dia voltes,

pois sabes que aos varais tua presença é tudo aquilo que faz falta..."

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal