"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

domingo, 18 de dezembro de 2011

A quarta trombeta apocalíptica: o que revelam as reticências

Insisto nas reticências.
São a porta do inconsciente...
O primeiro ponto diz
Fim
(É a barra de recalque)
O segundo ponto diz
depois de um ponto
um novo conto
uma insistência.
Repetição de fins...
No terceiro ponto
ressuscito a intenção
da libido morta.
Me achego ao inominável e paro,
atônita.
Não sei o que dizer
Não sei nem o que sei
Mas continuo reticentiando...
Como quem não se retém na significância
das palavras.
Porque quer expressar a dor e deleite todo.
Porque quer esgotar o incômodo de finalizar-se num ponto.
Para além da palavra,
as reticências...
Ocultando e revelando a essência do indizível.
O silêncio destes três pontinhos
é o essencial do meu texto-vida.
Perscrutando este dizer misterioso
minha existência em palavra
se fará entendida.

(Raquel Amarante)

Oléo sobre tela: A luz vem da escuridão (Ubirajara Rodrigues - Clique em seu nome e conheça seu trabalho)

8 Comentários:

Alê disse...

Raquel,


Eu gosto de reticências, particularmente.


E a sua descrição, sobre elas, foi magnífica,


Bjkas

Vais disse...

Saudações, Raquel
que bonito, mas é demais, muito lindo
também quero insistir nas reticências
ocultando e revelando a essência
em apenas três pontos enfileirados na horizontal um dizer misterioso para além da palavra

beijos por seu varal ♥♥♥

Anônimo disse...

Cara Raquel, como expressar a indizível beleza da ciência deste teu poema reticenciando a palavra, a si mesmo e os próprios três pontinhos?!
Só posso te dizer que o poema expressa muito bem, bela e magnífica, o que podemos definir, se assim se considerar que existe, de fato, uma consideração plausível para algo tão indefinível. Que deveras, lúcida e inconsciente, as reticências transcendem "não se retendo na significância das palavras" para um significado recôndito, revelando-se, e uma existência exterior, ocultando-se.

Ah, adorei, muito bacana a sua leitura - ou seria exegese e teoria poético-psicanalítica? - dos três pontinhos: o primeiro é o fim; o segundo, um conto depois de um ponto; e o terceiro, a libido ressuscitada, ilibada.

Ah, mas como dizem esses três pontinhos em sua mudez abrupta ou serena, são como a própria eloquência do silêncio, não é mesmo?

As reticências renitentes reticentes, subterfúgio do pensamento, abandono introspectivo da alma? ah, não sei...
Mas só sei que por seus três pontinhos a palavra vai semeando sua vereda e o pensamento semeando seu caminho, convidando: siga-me por meus passos e pontinhos...

P.S.: Agora, por que das reticências dizer a quarta trombeta apocalíptica, se são só três? Será se serão elas meio mosqueiteiras, de três são quatro?

Ah, deixemos pra lá, não importa, bem se vê que as reticências são indefectivelmente reticentes antes de tudo, ad infinitum ... ... ...

Ingrid disse...

olá.
vim te desejar um lindo Natal..
que 2012 seja repleto de alegrias.
beijo.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga Raquel

Hoje minha visita é para agradecer
o presente que é para mim
a sua amizade,
e também desejar
um maravilhoso Natal,
onde possas encontrar nestes dias
ainda mais inspiração
para a alegria de ser feliz,
e para o milagre de fazer
quem passa por tua vida feliz.

Que o teu olhar seja a mais perfeita
luz do Natal a enfeitar o mundo.

Eloah disse...

Querida,
muita paz,luz,alegria, amor e sobretudo momentos inesquecíveis.Bom Natal!Bjs Eloah

Poeta Mauro Rocha disse...

"Melhor do que todos os presentes por baixo da árvore de natal é a presença de uma família feliz."

Autor desconhecido


E lhe desejo Um Feliz Natal!!

Raquel Amarante disse...

Agradeço a visita atenciosa de todos! :)
Ótimo 2012...

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal