"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

O corte

O fio de cabelo
medita a navalha


as pontas duplas


os fios frágeis


as incertezas,
descabeladas


os dois caminhos,

tesoura, corte
a lua nova

a esperança
de que a mudança
convença o espelho
de lá de dentro.

(Raquel Amarante)




2 Comentários:

Anônimo disse...

Vigia o céu,
descubra qual é a lua.

Vai à folhinha, vê se o calendário
confirma o que o cosmo lhe apresenta aos olhos noturnos...

A lua é boa, há certeza,
a sua fase é propícia.

Mas, cuidado, pois a mão de quem corta também precisa ser boa.

Sim, o universo conspira a favor:
lua nova, lua crescente...
Irmã lua, stylist moon,
saibam que de superstição e vaidade
também se alimenta
"a esperança
de que a mudança
convença o espelho
de lá de dentro."

P.S.: Olá poetisa peregrina, há quantas luas não nos vemos, hein?!
Por tão longa ausência, desejo como prêmio a que lhe trouxe mil e uma noites de enluaradas noites em todas as estações.

Raquel Amarante disse...

:)Andorinhas vão e vêm...

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal