"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

domingo, 2 de setembro de 2012

Associação LIVRE


Vai-te por se só, sem bolsa, destino, lucidez. Vai-te lá menor, nesta música pavorosa de teu coração. Seja ilustre contigo mesma, seja abstrata e mate as borboletas, barbáries - versejai acrósticos-revolução. Não se retenha na caixa de fósforos, não míngüe os sentimentos extra lunares, não atire a pedra no caminho de poetas. Nunca deixe a ilusão de fora, a casa que você é, você mora. Ah meu Deus, que medo de ser! De repente ninguém mais me entende, eu não entendo os campos, os mastros, as cirandas da infância. A vida circunda pela travessia sem pé, neste mato há coelho, não é? Eu sei de tudo. Tudo me é claro. Noite em claro, nem me perco, nem me ganho. Acho que a Deus persigo, nem Paulo sou. A morte é tão incompreensível, eu sou tão sensível. A vida é tão pacata, ora vivo, ora morto, até pra quem ora. Ora a gente implora: Quer ser vivo. O verso é opaco, tristeza esparsa, remorso vão, cai a alegria – gota a gota –num coração, poroso, amoroso, fugidio, meu. 

(Raquel Amarante)

3 Comentários:

Eraldo Paulino disse...

Primeiro, como um visitante que não vinha aqui a algum tempo, gostaria de dizer que gostei muito do novo visual.

Segundo, gostaria de dizer que gostei muito do jogo de palavras que empreendestes. Gosto de textos assim, que fazem a língua parecer um parque de diversões com brincadeiras consequentes.

Parabéns!

Bjs!

Eloah disse...

Parabéns! Lindo texto.Da angustia, dos medos, dos sentimentos fizestes uma bela ciranda de desejos e incertezas.Quanto tempo!!! Bjs Eloah

Fernanda Fraga disse...

Um dos seus textos mais fascinantes,
sublime poetisa.
Beijos

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal