"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

sábado, 29 de dezembro de 2012

Não por acaso...

antes,
foste o papel
a vítima fatal 
do amor.
hoje,
computa dor.

(Raquel Amarante)

******************************************
Acrescento à poesia, a réplica-comentário de quem mais entende deste blog:


"antes,
foste o papel
(...)"
hoje,
a vítima fatal
do amor
virtual
computa dor.

... que não computa.

talvez amor
com puta dor.
Perfeita neh ;)

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Citando Mara Medeiros: ABRAÇO

Meu olhar te abraça
sempre que te vê
meu coração te abraça
sempre que te sente
meu pensamento te abraça
sempre…

(Mara Medeiros)


P.S: A poesia 'Abraço' me abraça por que sinto exatamente o que ela expressa...

Clique no nome da poetisa Mara para conhecer melhor seu trabalho mara... ;)

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Amarante

queria
amar
só no sobrenome.

(Raquel Amarante)
#sqn

Tempo

Faz
hora extra
porra.

(Raquel Amarante)

P.S: coração agradece.

Morte

porque
você não morre
também!

(Raquel Amarante)

Vó,
me dá 50 anos
de sua experiência
pra eu voltar a ver a vida
feito criança.

(Raquel Amarante)

Violão

preferia tocar seu corpo...
embora ambos,
tão musicais...

(Raquel Amarante)

MST

deu até vontade de ser sem terra
só pra você lutar por mim.


(Raquel Amarante)

Maquiavel


já pensei em todos os meios
o amor, que era o fim,
virou mesmo fim.

(Raquel Amarante)

Aprendi

a
prefixo de negação
prende
ato de prender

aprende o amor...

(Raquel Amarante)


terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Escravos bem pagos

estudar, estudar, estudar...
trabalhar, trabalhar, trabalhar...
pra ser alguém na vida.
Alguém sem vida.

(Raquel Amarante)

"Quem não sonhou em ser um jogador de futebol"

de gole em gole
de gol em gol
de go em go.

(Raquel Amarante)

Natalino

quis duvidar,
mas Deus ta nos seus olhos
e resplandece.

(Raquel Amarante)

Voo de rapina

aterriza Raquel
aterriza.

(Raquel Amarante)

literATURA

livros esquálidos
pessoas magras
de conteúdo.

Raquel Amarante

Doçura

alivia
o peso da consciência,
inocência.

(Raquel Amarante)

sábado, 22 de dezembro de 2012

Era de aquário

desponta liberdade
viver é eternidade
sempre.
toda felicidade se conserva
pra quem entende a vida
como a deusa Minerva.
sol inda não nasceu em aquário
já sinto as correntes soltarem
e a excentricidade do cenário.
A era dos ventos
de ir e vir
de extrapolar o firmamento
e se descobrir
na originalidade
de cada passo em falso.
felicidade tem nome de revolução
nenhum ideal é vão
nenhum ideal é vão
até que o carro capote
pelo ideal de velocidade
saudam com louvor a morte
em favor da deusa adrenalina
É preciso mais lucidez
na alforria.
Respirar o ar
antes de mergulhar
pra saber pr'onde voltar.

Ama o homem
antes de amar a humanidade.

(Raquel Amarante)




domingo, 16 de dezembro de 2012

Renitente

Uma estrela apenas.
O céu economiza.
Cigarros acendem a noite.
O sol não quer nascer.
Amor disse adeus, faz tempo.
Não há inspiração.
Nem lamento.
Apenas o silêncio,
renitente.
A espera da lua cheia
de esperança.
a dança...
o olhar...
a alquimia...
a poesia 
também não quis ficar.
Somente o silêncio,
renitente.
Hipoteticamente,
mil e uma alternativas
nenhuma confusão
nenhuma dúvida
nenhuma inclinação
primeira vez na vida,
paira a certeza
sem âncora
converte-se em silêncio,
renitente.
Se o silêncio falasse,
gritaria faz tempo
um brado de amor
ávido
pungente
apolíneo e dionisíaco
da beleza triste de coração
que dispara
renitente.

(Raquel Amarante)



Somente leia a poesia acima se estiver disposto a apreciar o video abaixo que foi uma das fontes de "desinspiração" para tal inscrição poética nomeada Renitente.


As quatro estações - Marcelo Camelo e Sandy





quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Carta não enviada nº 20: Flash back na pista de dança

Oi Túlio, Oi Plínio,

Ta, eu já sabia da possibilidade de encontrar um de vocês nesta ocasião especial. Pra falar a verdade, eu já sabia que ia encontrar a ambos, mas não imaginava como seria. É tão estranho... Tanto tempo se passou, tantas coisas aconteceram... Eu não sou mais a mesma, como sempre... É engraçado nós três na mesma pista de dança. Não pude deixar de perceber seus olhares e rir por dentro da disputa que travaram, sempre travaram... Eu me senti a Stella de antes... Eu era um bocado histriônica, quem diria... Qual mulher não gosta de ser disputada? Mas, em alguns momentos doeu meu coração ao perceber o quanto por acaso ou não eu tenho pagado pelos erros que cometi com vocês. Excepcionalmente com você, Plínio. A gente muitas vezes não percebe que talvez represente muito para os outros e faz muitas bobagens. Bateu uma dor extrema lembrar do quanto já te provoquei estando com o Túlio. Mas, não é sobre isso que quero falar, quero dizer de algo que muito me inquietou. Ta, você já estava bêbado Plínio, mas eu acredito mais em bêbados que em quaisquer outras pessoas. Você disse que precisava conversar comigo e eu conheço este seu olhar... Você me olhou tão bonito que, de fato, eu pude ver muito amor em seus olhos... Isso é assustador... Eu queria ter ficado mais tempo com você lá e conversado, não foi possível. Eu queria ouvir de você aquilo que outras pessoas me contaram. Eu queria ouvir de você o quanto eu "estraguei sua vida", o quanto eu fui covarde e fria, o quanto eu fui impiedosa com seu amor. Sim, eu confesso meu jeito manipulador quando não amo, e quando amo também... Quando fui embora você me acompanhou com o olhar até o carro. Olhar já desesperançoso e triste. Apaixonado. De todos os olhares que já recebi, ninguém nunca me olhou como você sempre me olhou... Olhar de menino ao ver o tão sonhado playstation 3 na vitrine. Abobalhado. Tropeça nas palavras ao conversar comigo...
Você me idealizou como a mulher que dormiria ao seu lado todas as noites, e isso é dolorido quando não é possível. Hoje eu sei... Repito que isto é assustador para mim. Não a presença de vocês. Mas, depois de tanto tempo, saber que vocês receberiam meu abraço, afago e beijo como na primeira vez... Assusta-me pensar que eu também possa continuar amando quem eu amo hoje ao longo dos anos... Amar por toda a eternidade e me remeter a flashbacks que conservem íntegra a imagem do ser audaz que amo.
Sabe o que eu penso mesmo? Montes Claros é pequeno demais pra todos nós, precisamos desaguar com força na serenidade de outros aMares.

Mas, carrego a indelével certeza de que em coração não se manda. Shit!


Stella

Saiba mais sobre esta e as outras cartas: Sobre as "Cartas não enviadas" 

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Fones de ouvido

Há um silêncio surreal indômito.
Há um pulsar de sensações trôpegas.
Há uma rebeldia à revelia de olhares pudicos.
Há um som alto, estridente, ligado aqui dentro.
Há uma canção áspera que arrepia meus pelos.
Há uns graves e agudos crônicos, e épicos.
Há um subterfúgio na identificação dos instrumentos.
Há um orgão tornando lúgubre a melodia, ritmo e harmonia.
Há um "When you feel so tired, but you can't sleep"
"Há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã filosofia."
Não ouço ninguém.
Ninguém ouve o som que emana aqui em alto e sensível tom.
Ainda bem que

fones de ouvido.

(Raquel Amarante)

Canções do Varal

Seguidores

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...