"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

domingo, 16 de dezembro de 2012

Renitente

Uma estrela apenas.
O céu economiza.
Cigarros acendem a noite.
O sol não quer nascer.
Amor disse adeus, faz tempo.
Não há inspiração.
Nem lamento.
Apenas o silêncio,
renitente.
A espera da lua cheia
de esperança.
a dança...
o olhar...
a alquimia...
a poesia 
também não quis ficar.
Somente o silêncio,
renitente.
Hipoteticamente,
mil e uma alternativas
nenhuma confusão
nenhuma dúvida
nenhuma inclinação
primeira vez na vida,
paira a certeza
sem âncora
converte-se em silêncio,
renitente.
Se o silêncio falasse,
gritaria faz tempo
um brado de amor
ávido
pungente
apolíneo e dionisíaco
da beleza triste de coração
que dispara
renitente.

(Raquel Amarante)



Somente leia a poesia acima se estiver disposto a apreciar o video abaixo que foi uma das fontes de "desinspiração" para tal inscrição poética nomeada Renitente.


As quatro estações - Marcelo Camelo e Sandy





2 Comentários:

Igor disse...

Seu silêncio renitente é a melhor expressão do verdadeiro amor.
Adorando seu blog Kel.

Raquel Amarante disse...

Thanks, seja bem vindo!

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal