"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Sobre a ausência do amanhã

Meu tio
fazia planos
panos
mesas
vários...

Daí, ele morreu.
e os planos
panos
e mesas
ficaram.

(Raquel Amarante)

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Um lugar chamado RH


À procura de um pé
que encaixe no sapato deixado
pela princesa.
À procura de
de um profissional consistente
para uma empresa inconsistente.
À procura de um perfil estereótipo quadrado perfeito
que burle melhor os testes
e que entenda de administração, contabilidade, economia e marketing,
mas não de Direito.
à procura de um sangue com fator Rh positivo
capaz de acionar o dispositivo de auto-anulação;
à procura de alguém preparado pra mentir na entrevista
e mais preparado ainda para provar as mentiras.
À procura de um perfil revolucionariamente criativo e subordinado.
Tipo...


P.S: Essa poesia não é uma regra, muito menos uma exceção.

(2009)

Rs Achei esta poesia em papéis antigos. Trabalhar com RH me estressava rs

sábado, 30 de novembro de 2013

Amor é música

eu queria te ensinar
o som da melodia
que lhe fiz.
mas não sei como te achar
no som da melodia que eu desfiz.
era canção você em mim
meu coração batia em LÁ...
agora em DÓ.
que só!...
Lá se foi meu sol
LÁ SI FÁ MI SOL

A canção
eu esqueci.
e o esquecimento
é lançar
nome ao silêncio
de quem não quer mais
estar
nos meus acordes
e acordar
manhãs de SOL,
ao meu LÁ-DÓ.

Você deu RÉ
porque é melhor,
é mais seguro,
é comPassado
que se faz
canções mais ritmadas
de quem têm tempos
assim, iguais...


Mas eu entendo bem,
meu bem.
minha canção
é tão... sei lá
meio que um jazz
improvisado, uma fusão do inesperado
ritmo assim, desritmado
pobre de mim!
não caberia
em teu CD, tua seleção, teu coração...
Desfaço o SI...
Eis-me em MI,
pois nosso arpejo é desigual.
e harmonia é em música,
fundamental.

(Raquel Amarante)





P.S: Essa poesia é uma composição.


quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Citando Julio Cortázar

Creio que, desde muito pequeno, minha infelicidade, e ao mesmo tempo minha felicidade, foi não aceitar as coisas com facilidade. Não me bastava que explicassem ou afirmassem algo. Para mim, ao contrário, em cada palavra ou objeto começava um itinerário misterioso que às vezes me esclarecia e às vezes chegava a me estilhaçar. Em suma, desde pequeno, minha relação com as palavras, com a escrita, não se diferencia de minha relação com o mundo no geral. Eu pareço ter nascido para não aceitar as coisas tal como me são dadas. 


(Julio Cortázar)


terça-feira, 26 de novembro de 2013

"No outono é sempre igual, as folhas caem no quintal"

Às vezes fico pensando qual poesia foi mais difícil de escrever... Qual desceu mais doída, lancinante, pungente, lacrimejante...
Ode ao Xadrez  doeu incrivelmente... Renitente foi outra poesia que doeu muito escrever... Não poderia esquecer de A arte da dúvida, que já marcava um tempo de superação de uma grande dor. Uma das primeiras poesias que tenho registradas de um período primordial da minha vida ... Eu não poderia esquecer também dos versos mais dolorosamente significantes... A poesia que inaugurou este blog, em 2007, quando eu tinha 17 anos. Não tenho mais a poesia original publicada aqui, apaguei o conteúdo do blog de 2007, alterei ele criando o Varal, em 2011. Tenho apenas umas estrofes que seguiram persistentes na minha memória parca:

Mais vale dois pássaros azuis voando
que um rosa na mão prestes a voar,
mais vale teu olhar de desprezo,
que teu olhar em outro olhar...

Tenho estado sob o efeito dessa minha linguagem... Que diz bem quem sou. Linguagem essa que diz de coisas que um dia a gente acaba superando. Ou não. Vai saber...


(Raquel Amarante)


A música abaixo dedico a mais um amor que se despetala, "às vezes a vida é assim...
como:

"Whisky Ruim" de Bêbados Habilidosos


domingo, 17 de novembro de 2013

ERRE = R

R se escreve com dois erres
Erre se escreve com dois Rs
Errar com Ro ou com Ra..
Ro que é tua imagem
teu modelo clássico
da tua praia
da tua letra
assim... meio rosê.
Ra que é do teu onírico
do vermelho que falta no teu arco-
íris.
da tua escuta
de uma ventania do por vir.
Esses erres te atravessam
versam.
Separa esse sentir!
er-re
e escolha a sílaba que lhe dá a tônica.

Raquel Amarante

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Carta não enviada nº 24: Quando não esperamos...

Eliseu,

Não é você, sou eu. Quando me parou, ao entardecer, na biblioteca, e disse o que sentia... rs Eu quis instantemente fazer uma poesia... Foi tão estranho... rs Desculpe. As bibliotecas têm dessas coisas comigo... rs Você é tão belo e sensível que minhas sobrancelhas até se levantaram por ser das Engenharias... Sinto muito não saber o que fazer com isso que expressou... Confesso nunca ter sido tão surpreendida... Eu fiquei pensando nisto até agora e voltei a uma imagem da 8ª série... rs Os homens... Eles sempre nos surpreendem... Há um segredo guardado à duas chaves acerca de "Camilo" e eu kkk Esse era o primeiro que eu devia ter revelado na noite da vodka que faço com as amigas do colegial ao longo dos anos, mas eu tinha me esquecido dele, e as coisas se repetem de forma diferente, mas enfim... kk Fico rindo sozinha... Justo hoje que eu estava sem energia, melancólica. Obrigada por seu olhar afetuoso. E sim, Eu fico na defensiva mesmo, e, sinto muito, mas, reitero minha avolia ante seu convite. Eu tenho uma burrice afetiva mórbida e preciso apagar um fogo de Darvaz que ainda me tira o sono.

Um beijo na testa também,

Stella

Repara

Repara. para Reparar. Essa coisa cíclica, essa coisa bulmerâmica, essa coisa cármica, essa coisa gastroesofágica, essa coisa que não cessa, essa coisa que atravessa, essa coisa abissal, essa coisa coisada, não nomeada, tão afetada, desafinada,  afinal? Nada. Afim. De
Rima.
Fonema.
Dor.
O ão do seu coração com o meu, não.
Rima.
Dor.
Fonema
de Amor?
Tum Tum Tum Tum TumTum TmTum TmTm TmTm  TmTmTmTmTmTmTm...
Repara. nesta onomatopeia.  Essa coisa cíclica, essa coisa bulmerâmica, essa coisa cármica, essa coisa gastroesofágica, essa coisa que não cessa, essa coisa que atravessa, essa coisa abissal, essa coisa coisada, não nomeada, tão afetada, desafinada,  afinal!!!!?

Vou dormir.





quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Culto à incerteza

(AUMENTE O VOLUME)
  Trecho da canção "O silêncio das estrelas" -  Lenine.  Interpr. por R. Amarante (violão, noite insone, acordes mal feitos, tempo errado, mas o pensamento, lá em você...)



Eu te gosto
como gosto da noite.
do silêncio.
do vazio.
das lonjuras.

Eu te gosto
como gosto dos abraços sem braços
dos beijos sem rostos
dos olhares não correspondidos

Eu gosto da noite, sim,
mas quando a noite chega,
súbito desgosto me exaspera.
pensar
que a noite
está
passando...
indo...
foi!

É  fim de semana que se aproxima
e com ele aquela satisfação...
mas quando chega,
vem a tristeza
qual ventania e chuvarada
neste sertão.
Tão logo passa.



Felicidade está à beira...
Sou feliz e triste por antecipação
em busca de não sei o quê
talvez um sim
talvez um não
talvez um talvez...

Ou algo que perdure
nesta passagem
viagem
vida.

(Raquel Amarante)




domingo, 13 de outubro de 2013

por fora

Tem dias que a alma não quer sair para fora
hesitante, desconfia da folha.
Desfalece a alma
e enche o corpo de um sangue agônico.
Pulsa alma,
cai no papel
corta o papel
Mas não me incomode mais
com os idiotismos da existência.
Estou farta de toda esta comida que não acaba
quero a mesa limpa!
Papéis e canetas apenas.
E meus desejos mais lancinantes por fora.

(Raquel Amarante - 2011)



Ever and ever


Meus sonhos são de pólvora
minha vida, arma
meu hipocampo sob o risco
de um dedo no gatilho.
Se eu atiro
vencê-los-ei
meus desafetos.
Perpetuaremos
relações de esquecimento.

(Raquel Amarante)

Cenas do Filme "Brilho eterno de uma mente sem lembranças"





Love is Love


Somos os mesmos
tentando achar os caminhos não trilhados de nós...

Não há heróis capazes de acrescentar
a tolerância nas mentalidades.

Mas isto não impede
que a íris da pessoa amada
brilhe mais do que
qualquer coisa no mundo...



Com seu pouco tempo de música
talvez nunca entenda minha partitura.



Um ursinho de pelúcia
entende muito mais de amor...


(Raquel Amarante - 2011)

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Carta não enviada nº 23: Você e seu mundo EVOLUÍDO...

Ei meu cachorro,


Você que vê o mundo bem melhor que eu. Que vê o que vê, sem tergiversar. Você que não se labirinta em ismos da existência. Que brinca e brinca e brinca... Você que come e dorme e não se importa com a denominação que a ti reputam. Você que não sataniza, não mistifica, não interroga. Você que não se veste de seda para ser um cão melhor. Você que gosta mais de gente que eu. Você que até entende metáforas se o assunto for comida. Você que faz sexo meeesmo, sem se importar com o público. Se é assim mesmo que você é, não sei ser como você. Seus instintos não te fazem melhor ou pior e por certo esta carta não se destina a você, mas a mim,  tentando entender porque você não precisa entender nada e é feliz, e talvez seja isto que te faça feliz, ou talvez eu suponha demais sobre você, por não ser capaz de entender seu mundo, tão diferente do meu.



Stella Graal


Saiba mais sobre esta e as outras cartas: Sobre as "Cartas não enviadas" 


sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Postcard december/12

João é um gentleman, for my mother...
Tomo milk shake com Renan em pleno tiroteio.
Vejo um cover do Nirvana horrível com Patrick.
Visito de novo a boate do sofá vermelho com Tadeu, Isis e Patrick.
Ouço e vejo Beto Guedes com Alice, que nem conhece Beto. : P
Como sushi com Jéssica e Léo. (Nomes reais de loucos que conheci numa noite e que sumiram do mapa)
Passo minhas noites de domingo com Alice.
Viro as madrugadas de fim de semana com Alice.
Perdi provas por estar com Alice.
Deixei de ir na Damaru e no Rock do Rodolpho, Alice ficou brava.
Renan, Patrick e Farley também.
Recebo Camila de volta em Moc Hell.
Encontro fatal com Plínio e na pista de dança.
Plínio me emocionou.
Alice é vítima de hippies no Jac's.
Curto um cover até legal do Coldplay com Luana
Estou todos os dias com Luana,
ela tem me feito companhia.
aprendo a tocar berimbau
e tocar muitos corações
menos o seu.

(Raquel Amarante - 2012)

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Todo todo é um

Todo conhecimento é limítrofe.
Avalanche de neve
ladeira abaixo
alterando pais agens.
cenários, topografias, ares
cessando em uma base.
Todo conhecimento dá trabalho
há trabalho
a trabalho...
Todo conhecimento impera.
Pior é quando o conhecimento
quer se aplicar ao todo.
E todo conhecimento
é para se aplicar ao todo.

Todo conhecimento é limítrofe

Porque todo conhecer é válido
sendo inválido por outra jurisprudência.
Todo conhecimento é narcísico
e ancestral.
E se o conhecimento se preocupasse com a verdade
ele seria mais belo, ao meu ver.
Mas pra fim de prosa,
Todo conhecimento é verdadeiro,
como toda imagem de espelho.



(Raquel Amarante)






terça-feira, 1 de outubro de 2013

Marca de batom

Deixou a marca de batom vermelho
de nome perpétua
no pescoço do infeliz,
como quem quis perpetuar
sua presença no corpo do amado.
Do amante...
Acendeu um fogo brando
em velas purpúreas
e com o olhar retocou a paixão da chama
tinha fé que aquela oxidação
lhe renderia algum afeto
afetou-se.
Ele ia partindo...
Ela morreu.
Matou-se.
porque não queria mais dar satisfação
ao próprio corpo
e a mais ninguém.

(Raquel Amarante)

Pintura da Catherine Murphy: http://art.yale.edu/CatherineMurphy


segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Colapso

Perdi-me no breve espaço
de ruínas da sua presença,
não declarei tua morte
em sentença,
nem fui capaz de indiferença.
Mas que boa sorte!
Não há lugar onde lhe caiba
e nem há laços.
Não há abraços.
Nunca haverá.
Ame o que puder
amar.
Mas deixei-me
no breve espaço
em que o amor
fez-se colapso.
Eu amo mesmo é essa liberdade toda...

(Raquel Amarante)

À beira

podia cair
tropeçar
esbarrar
em você
não na distancia.

domingo, 8 de setembro de 2013

Iara


  • 0



    Quando Iara sorria
    acima do trio
    passeata parou.
    Ou foi meu olhar que inerte
    avistou nu encanto
    a beleza de quem luta
    a beleza de quem UNE
    a beleza do Brasil.
    Era Iara, tão bela
    sereia do mar de gente,
    Mutirão.
    por um momento pensei
    há belezas que renovam nossa alma
    só de se ver...
    Por um momento eu amei
    tornei a lenda tão real
    em meu coração.

    Iara,
    sereia,
    mulher inteira.





    (Raquel Amarante - CONUNE Goiânia -2013)


quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Do que se sente

Se há uma ponta de planos
nos panos de sua camisa,
onde caiba meu ser desvalido,
eu te prometo tranquilidade e perigo.

Se há um tom de azul no seu céu
como há no meu
e o cruzeiro do sul que brilha aí
cá também,
não negue a Deus a prece, meu bem,
que aqui falo de amor com meu amém.

Se a saudade mais abate que bate
e a vida passa toda em tua mente
de algum tempo acalento maternal,
em meus braços eu te faço um embornal,
pra despejar todo infortúnio que se sente.

E se quiser o meu olhar mais afável
meu carinho, meu amor mais aderente,
seja semelhante ou mesmo diferente.
O que resta é sempre tão inominável...
E amor,

se reconhece, tão somente.

(Raquel Amarante)



domingo, 4 de agosto de 2013

Carta não enviada nº 22: Love me tender, love me true



Podia ser falta ou excesso de cafeína, mas não. Eu bem podia dormir depois da noite acordada na estrada, mas não. Eu queria não me preocupar, não pensar, eu queria te odiar... Até tentei, mas não... Só resta a dor de cabeça, suas paranoias e minha vontade de ir embora, isso sim.
 Sua emoção é hemorrágica, sabia? Dá os melhores escritos, à sangue vivo torna visceral sua poesia, entretanto, esta esgota as relações feito o sangue que corre em corte de hemofílico. 
Eu queria te salvar de você, mas, pobre de mim, sou tão errante, cheia de indagações e não sei me submeter a dominação, por mais paixão, amor, afeto que eu sinta por alguém. 
Posso não ser madura o suficiente... Quem o é? Mas eu não sou alguém que age com má fé com sentimentos alheios e com meus próprios sentimentos. Desejo amor com ternura, amor com verdade, qualquer coisa que não seja assim eu tô dispensando. Já dizia Milan Kundera que é preciso salvar o amor da tolice da sexualidade. Quem deseja profundamente fitar o outro dormindo enquanto toca nos seus cabelos é um verdeiro apaixonado, está aí uma pureza que nem habito de carmelita carrega.
Tired... Nem claros montes, nem horizontes belos... Quero é meu violão aqui agora porque têm horas que só a música é sinal de amor no mundo.


Raquel 
(Porque Stella já dormiu)




Essa canção é utopia, mas das mais belas.
Quem não quer um amor assim...?



Saiba mais sobre esta e as outras cartas: Sobre as "Cartas não enviadas" 

sexta-feira, 15 de março de 2013

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Amor no conflito

aquecem
os corações
aos gritos.

(raquel amarante)

Amor elementar

a gente se deita no tempo pra apreciar
amor é a simplicidade
do fogo, terra, água e ar.

(raquel amarante)

Amor teatral

coadjuvante
vira
personagem principal.

(raquel amarante)

Amor sambista

Quando a mesma passista
passa milhões de vezes
pela mesma pista.

(raquel amarante)

Amor apressado

pega o primeiro
'ônibus'
pro local errado.

(raquel amarante)

Amor correspondido

de gente que faz
pacto
com o cupido.

(raquel amarante)

Amor de Jah

pode crer
o que tiver de ser
será.

(raquel amarante)

Amor sexual

Só restam
os corpos
no final.

(raquel amarante)

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Who I am enjoying moments



By Natasha


Hey! You know what?!
I wanna go out tonight.
I wanna be in somewhere cool.
Be a person who I really am when I’m enjoying moments.
I wanna dance like the music is the last.
I wanna shake my body...
Rock'n it!
I wanna be watched, courted, kissed and touched.
And feel like I’m the last woman in the world.
Do you wanna play with me?!
If you do...
Run after!
I’m waiting...
Because night is just a child!
And we can make it grows up...
Going slow or fast.
It’s with you!!!!

The blow of love


 By Natasha

The night is so beautiful today...
It's the reason I wanna be with you...
All my feelings have made a huge mess in my life.
Almost always I'm sure that you're the one for me.
But almost never I know how to say about my love for you.
So, help me...
Help me to say for my heart to not be afraid of world.
'Cause people's opinion is the less important for our future.
Let's make the best for us...
Let's do all we want without fear to be happy.
The sweet wind of love will blow our destinies.
And we'll stay here, now and for all beautiful nights...
Together.



(Depois de muito tempo, as poesias em inglês da minha amiga Natasha estão de volta... ;)))
Saiba mais sobre estas poesias: Textos e poesias em Inglês

Melhor amigo


Lastimável é ser eleito
Rei do mar
E nem mesmo no remo
Saber pegar.

(Raquel Amarante - 08/06/2008)

Amor I

Fiz-me verbo no pretérito do amor
sempre imperfeito.

(Raquel Amarante - 2008)

Canções do Varal

Seguidores

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...