"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Quando te olho

Essa procissão de ideias
que segue o caminho sem pensar...
Esse pendor pelo que não é banal
Esse afeto pelo que gera mal
estar.

Nunca pensou que sumir
seja uma forma de aparecer?
Que a distância seja uma forma
segura, de lhe ter?

De que adianta eu te querer
se você é vento, poeira...
E eu não poderia te guardar nos meus braços...
De que adianta eu mergulhar nos seus passos
Se você está sempre à beira
de abismos, pedras, vôos altos...

Não sei acompanhar seu ritmo
Mas observo com amor sua meninice e sua adultez
Dos males, o menor, é o meu talvez.
Dos bens, quando te olho, é tão legítimo...

(Raquel Amarante)

domingo, 6 de setembro de 2015

Carne crua

                              à Bhagwan Shree Rajneesh

Duro é descobrir que brisa não é vento. Que o ar que eu respiro não é autêntico. Que não estamos crús, fomos temperados. Salgados, apimentados por outros... Como me livro deste sabor agora?  Esse sabor que não fui eu que dei à vida. Esse gosto de carne mal passada, prato predileto de quem come minha entrada, sem acompanhamento. O prato principal de mim nunca vai ser servido. Ele não é para ser admirado, degustado. Ele está sendo cozido em fogo baixo e é pra ser comido no silêncio do quarto.

(Raquel Amarante)


Canções do Varal

Seguidores

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...