"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

domingo, 7 de agosto de 2011

Ensaio poético sobre a Liberdade na visão Fenomenológica

O fenômeno liberdade disse pra sua essência:
_ Eu não existo sem você!
A essência coerente em ser
abandonou o fenômeno,
deixou-o desolado e sem entender.
Desde então,
a Liberdade é um fenômeno,
sem sua essência de Liberdade.
Pois essa não pode prender-se,
sequer,
a si mesma.

A essência da liberdade está sempre fora dela.
E a liberdade sempre vai carecer da liberdade em essência...

(Raquel Amarante)

P.S: Trata-se da minha visão fenomenológica sobre a liberdade.

11 Comentários:

Marly Bastos disse...

Visão que na minha visão está correta, embora eu nunca tinha pensado sobre isso.
Beijokas doces!

Jão disse...

Não sempre a essência da liberdade, ou a palavra ficaria sem sentido.

Belo pensamento querida,


Beijos!

Beatriz Amorim disse...

Nem mesmo a liberdade se prende a própria liberdade... adorei! :)
Beijos querida, uma semana de luz!

Eloah disse...

Interessante teu ensaio.Liberdade é o que aspiramos mas nem sempre entendemos onde ela está.Querida passei por aqui também para dizer que meu blog atingiu a marca de 10.000 visitas. Para comemorar fiz um modesto selo em homenagem aos visitantes.Você faz parte desta comemoração.Fique a vontade para trazê-lo para teu cantinho.Bjs Eloah

Anônimo disse...

Há muito pulei os muros da escola e a coisa ficou filosófica demais para minha cabeça curta, mas pelo que entendi, se é que entendi, a liberdade é livre até de si mesma. Como fenômeno não existe, porque não o é. Nem pode ser essência, porque se assim o fosse, perderia o sentido...Parece que estou em aula com os pré-socráticos...Beijos -Teresinha Oliveira-

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Perfeito.

Assim quando
unimos liberdade
e essência,
acrescentamos
a estas palavras
o sentido
de viver,
e de semear
o belo,
o bom
e o justo.

Viver é sentir os sonhos
com o coração.

Malu disse...

Hoje estou passando apenas para lhe fazer um convite.
Estou falando do www.superlinks.blog.br que é um site agregador que vale a pena visitar, pois é mais um espaço no qual você poderá publicar seus links de matérias, pois é um site sério e com critérios bem positivos.
Espero que goste da dica.
Um grande abraço

Van disse...

Isso é profundo!

mas concordo com a sua visão, liberdade é algo que não se pode prender nem a ela mesma. Por isto acho que liberdade é só o poder de escolha sobre a que nos prender, acho impossível não se prender a algo, poder escolher ou não ´que que diferencia e torna-nos livres ou prisioneiros.

Um beijo, Raquel!

Sandrio cândido. disse...

engraçado este poema
gosto muito da fenomenologia e principalmente Edith steim
abraços

Rodrigo Passos disse...

Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos, um filme mais ou menos ,um livro mais ou menos.
Tudo perda de tempo.
Viver tem que ser perturbador, é preciso que nossos anjos e demônios sejam despertados, e com eles sua raiva, seu orgulho, seu asco, sua adoraçao ou seu desprezo.
O que não faz você mover um músculo, o que não faz você estremecer, suar, desatinar, não merece fazer parte da sua biografia.

(trecho de O Divã)
Martha Medeiros

Alvarêz Dewïzqe disse...

adoro esse ensaio, muito bom mesmo!

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal