Pular para o conteúdo principal

Postagens

Poemínimos

poefeminino Oscila na rima porque esse amor é de menina. poexagerado Amou errado deu-se todo. poemusicinternational Fui me buscar me achei nas canções que não sei cantar. Ando parado no sinal fechado poeansioso cheguei cedo à frente do medo. Estou errada quando estou certa de estar apaixonada. Estava apaixonada por sua saudosa imagem que agora foi pixada. Não sei se te limpo ou te deixo aí manchada. Cansada de sonhar foi ver telenovela ela era ela. Esta casa tem mais alicerces que eu. Teimosia Tomou algumas doses só não contava com uma lucidez que insistia. A gente finaliza muita coisa Mas não conclui nadinha. Tira a roupa que a roupa pesa e só quero a leveza do nosso amor. Tinha letra de pornô grafia amor pra dar em tempos de capital privado. Triângulo amoroso tenho a impressão que A3 é papelão. Não tem medo da morte porque não tem nem
Postagens recentes

Corpo, alma, coração

Tem vezes que a gente esquece o corpo e alma e só quer viver o coração. Tem vezes que a gente esquece a alma e o coração e só quer viver o corpo. Tem vezes que a gente esquece o coração e o corpo e só que viver a alma. Tudo que queiramos viver num gole só, com muita violência, nos revela nossas mais intensas vulnerabilidades e correntes. Mas quem nos torna vulneráveis? Quem nos acorrenta? Enquanto não tomarmos consciência da nossa sombra, estaremos repetidas vezes projetando no outro coisas muito nossas. Negamos nossa sombra e ela é escancarada. Fingimos que ela não existe e ela abraça forte. A sombra começa na repressão... Tudo que reprimimos para agradar alguém. Nos aspectos mais íntimos de nossa história as vezes se torna intocável o mais profundo desejo. Quantas vezes acordamos com aqueles sonhos que nos deleitam mas que acabam sendo silenciados, apagados, intocados para preservação de um status quo? Quantas vezes tentamos fazer caber, quando não cabe? Viver é por si só um trem

Acaso não existe

Ontem o destino me tinha na ponta dos dedos um pássaro de brinquedo brincando de ir e vir. Hoje eu me tenho tão inteiro... uma espécie em extinção Não tão fácil de ser alvo Na integridade, a salvo construindo o ninho da estação... Um pássaro como eu não morre Porque morrer não me é novidade alguma Um pássaro como eu voa sem deslumbramento Porque eu sempre tive asas batendo no alto Um pássaro como eu têm cânticos guardados no peito cheios de amor, cheios de sonhos. Um pássaro como eu inacreditavelmente, por ironia do destino, ainda se surpreende... Tá com o coração que não cabe no peito... Tentando entender a surpresa que é a vida... o de repente Feliz pelo que só poderia surgir, se apresentar, se manifestar a partir do háDeus. (Raquel Amarante)

Podem pegar a camisa de forças

estou vivendo o presente de viver o presente não sei se é loucura ou não mas simplesmente não há futuro. podem pegar a camisa de forças podem apertar, amarrar, isolar, injetar estou vivendo o presente de viver o presente. eu não nasci ontem eu vim da puta que pariu de um universo imenso imagina eu ter que ser do tamanho de um sentimento sendo que há tantos mares eu sei que nasci pra morrer de intensidades mas há tantas coisas... há tantas notas neste violão para eu riscar os dedos há tantas ondas para eu aprender a me jogar podem pegar a camisa de forças podem apertar, amarrar, isolar, injetar estou vivendo o presente de viver o presente. (Raquel Amarante) Ouça: Descobridor de sete mares - Tim Maia

Será se...

Uma formiga agonizante na pia remexe as pernas como se pedisse ajuda. Luta para viver. Luta para escapar. Como se desculpar com uma formiga que escolhe um caminho que ela nunca imaginaria que pudesse lhe matar? O que leva essa distraída, essa louca dessa formiga a se aventurar num braço humano assim?! Seria pra fugir da água? Seria para fugir de outro tipo de morte? Perdoe-me formiga, quando dei por mim já lhe tinha esfregado minha mão direita sem jamais imaginar que lhe atingiria os órgãos vitais. Não, não me sinto alguém maior, superior, um deus capaz de recortar seu ciclo de vida. Na verdade, sinto uma fatalidade tão profunda que parece que era minha vida ali extraída. Na verdade, me dói, você viu! Você viu que eu tentei de modo bem desajeitado uns primeiros socorros. Eu tinha uma esperança enquanto você mexia os membros inferiores de que haveria possibilidade de reatar a vida, você lutou por ela! Quem diria, nem eu, nem você, que a vida findaria ali, no mais simples e nu do cotidia

Roda da Fortuna

Se o fogo testa a alma e pede calma e a terra finca os pés atola os sonhos se o nado é pesado de braçadas e o ar da graça tornou-se rarefeito se as leis de Moros não podem ser lidas a não ser por oráculos. "Se nem mesmo os deuses podem lutar contra anánkê" É... É preciso fé... e é preciso, também, o agora. e escutar os mais velhos mais bem afeiçoados com a natureza. de resto, o mundo gira. (Raquel Amarante)

Gira mundo

Reciclo o amor de 30, 90, 180 graus. Quanto falta para mudarmos esse final? Quantas páginas, quantos meses? toda espera se confusas deitadas no meio da tempestade que caminhos escolhemos escorrer? por onde fomos peregrinas de nós mesmas? e se perguntarmos ao universo se há poesia sem verso? há  horizonte belo no horizonte? quantas sandálias ainda vamos trocar? quantos novos cabelos brancos? quantos sóis? quantas luas? qual eclipse?                                                                                        a vida passa Eu te pergunto se haverá constância você me diz  .nunca houve. Quais os benefícios da velhice? Não temos cigarros  Não temos cafés amargos Não temos uma geladeira vermelha e playlists de rock Nus entendemos por algum feitiço. São tantos os sagrados... todos os santos evoco sem saber se competem entre si Será acordar um belo dia e buum!? Será que é nadar nadar nadar nadar nadar...