"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

terça-feira, 26 de novembro de 2013

"No outono é sempre igual, as folhas caem no quintal"

Às vezes fico pensando qual poesia foi mais difícil de escrever... Qual desceu mais doída, lancinante, pungente, lacrimejante...
Ode ao Xadrez  doeu incrivelmente... Renitente foi outra poesia que doeu muito escrever... Não poderia esquecer de A arte da dúvida, que já marcava um tempo de superação de uma grande dor. Uma das primeiras poesias que tenho registradas de um período primordial da minha vida ... Eu não poderia esquecer também dos versos mais dolorosamente significantes... A poesia que inaugurou este blog, em 2007, quando eu tinha 17 anos. Não tenho mais a poesia original publicada aqui, apaguei o conteúdo do blog de 2007, alterei ele criando o Varal, em 2011. Tenho apenas umas estrofes que seguiram persistentes na minha memória parca:

Mais vale dois pássaros azuis voando
que um rosa na mão prestes a voar,
mais vale teu olhar de desprezo,
que teu olhar em outro olhar...

Tenho estado sob o efeito dessa minha linguagem... Que diz bem quem sou. Linguagem essa que diz de coisas que um dia a gente acaba superando. Ou não. Vai saber...


(Raquel Amarante)


A música abaixo dedico a mais um amor que se despetala, "às vezes a vida é assim...
como:

"Whisky Ruim" de Bêbados Habilidosos


6 comentários:

  1. Algum vate disse que os poemas
    são a autobiografia ou, até mesmo,
    a sua própria vida.

    E hoje lhe sinto a se debruçar sobre
    sua lavra literária, andando entre
    os varais, absorta, contempladora e penetrante, a considerar cada peça
    íntima, descobrindo a história,
    o momento e o sentido, pétreo de um instante, e fluido que ganha ao passar o tempo, que cada um secreta, esconde e misteriosamente revela...

    PS: Assim, acho que tive a sorte de "conhecer" e acompanhar boa parte das peças íntimas doídas, lancinantes, pungentes e lacrimejante que, após depuradas, você expos aos varais para a nossa
    estulta contemplação.

    ResponderExcluir
  2. "A arte da dúvida" é de fato uma bela arte :)

    ResponderExcluir
  3. Bom mesmo, já disse isso, mas, é ser acompanhada por esse povo genial.. :)

    ResponderExcluir
  4. Comentários ferinos não são aceitos no blog.

    Por mais que sei que são fruto de muita paixão. ;)

    Boa noite leitores!

    ResponderExcluir
  5. Para os leitores com dificuldade de interpretação "whisky ruim" é muitas vezes a vida, não alguém..
    Este blog é um lugar de expressão dos meus sentimentos, não apago nenhuma poesia porque seria como apagar minha subjetividade, minhas vivências e sentimentos. Minhas poesias não identificam ninguém, nem agridem, por isso, quem não gosta do que escrevo, basta não visitá-lo.

    Bom dia.

    ResponderExcluir
  6. "A poesia não quer adeptos, quer amantes"

    Federico Garcia Lorca

    Não obrigo ninguém a vir neste blog, muito pelo contrário, vem quem quer vir, quem se identifica. Quem hostiliza o que está escrito ou não gosta de como escrevo, acho mesmo que não deveria estar aqui. Há blogs em frente ao mar melhores para se visitar... ;)

    ResponderExcluir

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Canções do Varal

Seguidores

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...