"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

sábado, 30 de abril de 2011

Psicologia Social nos aguilhões do Vate



                                                                 À Flávio (O clarividente)


Oh profeta!
Pessoas são dardos.
Pessoas são fardos.
Meu caminho é de pedras,
não de pessoas!
Oh infante Sinope!
Guarde seus caprichos na bolsa,
que seu caminho é de gente,
que apaga a vela
pra acender a morte,
que acende a dor
no coração em corte,
que sangra, chora, reza
implora.
Até que não sobre mais
PEDRA
Sobre
pedra.


Raquel Amarante N.
(Ano: 2011)
P.S: Baseada na poesia “Socialismo Utópico (in Bíblia)”  - 2008  (A postagem anterior)

8 Comentários:

Assis Freitas disse...

as pedras continuam a rolar nos grilhões do cotidiano,


beijo

Poeta Mauro Rocha disse...

"No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho"

Tenha um ótimo domingo.

Bjs

Denise Portes disse...

Muitoooo bonito.
Um beijo
Denise

Fernand's disse...

construímos nossas fortalezas e desastres pessoais... o peso da pedra depende exclusivamente das nossas escolhas.



bjs, querida.

lindo. muito lindo seu texto.

Jão disse...

Caminhar sobre pedras
apredejar pessoas
sangue é derramado
o grilhão é torpe
a reza e vã
a dor é mortal



Lindo seu poema...Beijos!

Flavio Ferrari disse...

O meu caminho, é de gente ... as pedras são para o castelo.

Raquel Amarante disse...

Agradeço a visita de todos!
Adorei os versos Jão!

BjOs =)

Thami Silva disse...

Que forte !!

Adorei flor, muito lindo.

- feliz por estar sempre lá. Ótimo final de semana, beijos ! =)

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal