"Quem medirá o calor e a violência do coração dos poetas, quando capturados e aprisionados no corpo de uma mulher?" Virgínia Woolf

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Que arte é esta?



Atesto.
Arte é testa
na parede.
Arte testa
a parede.
Parede testa arte.
Parede quebra testa.
Testa derrama tinta na parede.
Misturam-se arte e testa.
Surge o Artesta
do sangue sereno que jorra na parede.
Mas,
que arte mais dolorida é esta?
Doar-te...

(Raquel Amarante)

10 Comentários:

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

Que artesta você é querida!
Adorei.
Beijos

Raquel Amarante disse...

Obrigada Marly!
Muito gentil! =)
bjim

Guilherme disse...

O sangue que corre atesta aquele que na arte, vivo mergulha. O sangue que para atesta a morte do artista. Logo, a arte é sangue que corre. Sem sangue, sem olhos, sem testa, sem se atestar. Atestado de morte da Arte.

Ingrid disse...

é arte que faz escorrer sangue..
e atesta a força do artista..
muito bom!
beijos perfumados..e um lindo dia.

Eraldo Paulino disse...

Atesto que aqui há poesia de fato.

Bjs!

Anônimo disse...

"Atesto. Arte é testa na parede.
(...) Parede quebra testa.
Testa derrama tinta na parede"...
Arte é ação na sua abstração, testa na parede concreta, abstrato-concretização, mas que doar-te!!!

Raquel, seus versos ajudam-nos a pensar sobre esta abstrata e concreta dor e vida da arte que, tão concretamente chega a abstrair-se que é concreta, que concretamente se abstrata vida "doar-te"... Parabéns.

Raquel Amarante disse...

Obrigada a todos vcs, tbm artestas...

bjoS

Marceli Andresa Becker disse...

Bah, este poema é tudo de bom, som e sentido caminhando juntos!
Parabéns!!!

Marceli Andresa Becker disse...

O sangue é visível, e o final, dolorido, este "doar-te" é lírico demais, coisa linda...

Raquel Amarante disse...

Obrigada querida! ;)

Postar um comentário

Você pode fazer comentários mesmo sem ter uma conta do Google ou sem ter um site. Basta clicar em Nome/URL, colocar seu nome e comentar. Sejam bem vindos! ;)

Seguidores

Canções do Varal